quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Anoitecer


Anoitece, o céu escurece,
A lua felicita alegre,
Meus olhos fitam a escuridão do céu,
E sorriem, com todo o brilho,
Que as estrelas e a lua nos fornecem,
Como se vestissem brilhantes véus...
Parecem dançar e cantar,
Em uma finita noite a se alegrar,
Bailam como se fossem únicas,
E um céu imenso a vislumbrar...
Sinto a melodia, a voz da magia,
Por entre a madrugada a sonhar,
Vejo o paraíso a brilhar,
E sonho do modo mais lindo,
O palco que estou a observar...
Como é magnífico,
Como é lindo,
Sentir a harmonia dos passos,
E os doces entre laços,
É a beleza da natureza,
É a pureza da lua cheia,
É mais uma noite perfeita,
Que faz de todos os passos,
Os meus versos em perfeitos abraços...

Pensamentos da noite


Pelo silencio da noite,
Sinto a harmonia dos pensamentos,
Perante um coração, cheio de sentimentos,
Vejo assim, a vida, contemplada em cores e argumentos,
Irradiada por luzes e contentamentos,
De almas que circulam, sem ressentimentos,
Apenas, a fim de encontrar,
O brilho que as espera, em algum lugar,
E que lhes dá como presente,
A vida, que a cada dia irradia,
Toda sua beleza, perante a natureza,
Com simples cores calmas,
Surgindo no passar das horas,
E que no decorrer do tempo,
Veneram o arder do calor,
Que esquenta, como um verdadeiro amor,
Queima ardente lenha,
Sobre a pele, sem respeitar a dor,
Mas respeitando o momento vivido,
Mostrando assim, mais um dia amigo...
Por entre a calma,
Observo o adoecer do dia,
Contemplo a vinda da outra alegria,
Da lua e suas estrelas,
Dando o show da noite, da mais pura beleza,
Iluminando os rumores que choraria o dia,
Mostrando que o preto também tem cores,
Mas principalmente,
Que a escuridão é envelhecer alegre de todos os dias...

Amanhecer


Senti o vento soprar meus ouvidos,
A brisa suave roçar meus cabelos,
Os grãos da areia a penetrar minha pele,
E a imensidão do amor,
Esquentar o meu corpo, com todo o calor,
Sentindo assim, a vida, alegre...
Meus olhos miravam radiantes,
Aquele horizonte fascinante,
Por entre as águas onduladas e salgadas,
Nascia o maior e brilhante,
O sol, com suas espadas,
Iluminando cada fio de água,
Venerando assim, meus sentimentos,
Fazendo de mais um dia,
Mais versos e mais palavras,
A serem contemplados e admirados,
Por mais esta cortesia,
Momentos e segredos,
Revelados em uma pequena poesia...

Ano Novo!


Os segundos iam-se embora,
Contados, como em trovas,
Os últimos momentos,
Celebrados, sem esquecimentos,
De mais um ano que se consagrou,
Grandes e alegres vitórias...
Fortes barulhos atormentavam os ouvidos,
Mas vindos de lindos brilhos que pelo céu se alegravam,
Mostrando a todos que mais um ano estava vindo ao agrado,
E que toda aquela beleza teria a realeza,
De mais uma imaginação,
De mais uma oração,
E mais uma grandeza,
A eterna gratidão...